David Phelps - Blog Brasil: Abril 2012

24 de abr de 2012

Pela Janela



Outro dia olhando pela janela da minha sala observei atentamente tudo o que aquele grande quadrado me possibilitava ver. De dentro para fora eu podia enxergar a sombra de algumas árvores. Entre suas folhas os raios de um sol tímido, um céu com nuvens esfumaçadas que às vezes generosamente me permitiam ver alguns pedacinhos do céu azul, alguns pássaros e algumas crianças que passavam diante da minha janela, já que moro no térreo de um condomínio com vários prédios e muitas famílias com crianças residem ali também. Diante desse cenário uma questão surgiu em meu pensamento. E de fora para dentro o que era possível ver? Bom, como eu havia me mudado recentemente, qualquer que olhasse para minha janela pelo lado de fora enxergaria certa desarrumação. Mas, pensar nisso tudo me levou a uma reflexão um pouco mais profunda. Pensei em nós como habitação, como templo.

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” I Coríntios 3:16
Sendo nós habitação vamos imaginar nossos olhos como sendo a representação da janela dessa habitação, como já dizia Leonardo da Vinci: “Os olhos são a janela da alma e o espelho do mundo”. As perguntas que se desencadearam em seguida foram um tanto quanto óbvias. Em que condições eu, como morada do Espírito Santo me encontro? Do lado de fora, ao olharem pela janela, o que as pessoas podem ver?
É claro que a busca das respostas para essas questões me levou a um processo doloroso de percorrer e analisar cada cômodo do meu interior. Eu digo doloroso processo, porque olhar para dentro de nós mesmos aumenta nossa consciência sobre nossa verdadeira condição, ou seja, nosso estado pecador.

“Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor.” Eclesiastes 1:18
Entretanto, há o lado positivo dessa auto investigação. O apóstolo João disse: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” João 8:32. Portanto, podemos dizer que o conhecimento, ou melhor, o reconhecimento é libertador! Isso significa que conhecer implica reconhecer que nosso “Eu”, egoísta e com tendência para o mal, não pode dividir a habitação com Cristo Jesus que quer habitar em nós através da pessoa do Santo Espírito;

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.” 2 Coríntios 6:14-16
Conhecer requer de nós admitirmos que como morada precisamos da permanência e manutenção constante do Espírito Santo, principalmente se desejamos nos apresentar diante de Deus com um caráter irrepreensível;

“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:1-2
Como morada, somente poderemos ser dignos de habitar o Espírito Santo se reconhecermos e aceitarmos humildemente que precisamos de um salvador. Jesus é nosso Salvador e Redentor.

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” Apocalipse 3:20
Outra condição pra que sejamos habitação do Santo Espírito e templo de Deus é nos entregarmos ao amor transformador que é a essência de Seu caráter, pois esse amor permeando em nós pode transbordar como fruto agradável.

“Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” Gálatas 5:22. “Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito.” Gálatas 5:25
Que ao olharem pela janela de nossa alma seja possível ver a beleza de um interior inundado de amor e transformado pela presença constante do Espírito de Deus que habita em nós.

Muitas benções a todos!

Abraços

Nivia Campos

16 de abr de 2012

Em Busca da Perfeição


 Portanto, sejam perfeitos como perfeito é o Pai celestial de vocês. Mateus 5:48



Essas palavras de Jesus têm desafiado e esmagado, motivado e envergonhado muitas pessoas sinceras desde que foram proferidas. Elas ainda servem para os dias de hoje e devemos levá-las a sério.



Algumas pessoas consideram essas palavras como a exigência de uma vida absolutamente isenta de pecado. Com isso em mente, encontram em si mesmas algo que desponta e as faz pensar: “Serei essa pessoa! Farei tudo o que for necessário para me desvencilhar das imperfeições de minha vida para que possa ser encontrado sem pecado diante de Deus!”




Tais pessoas sinceras caem num profundo poço, o poço da ilusão. Passam a se concentrar em si mesmas e a se introverter, ao passo que Jesus nos convida sempre a nos extroverter a fim de abençoarmos o próximo. Ao persistirem nesse caminho, inevitavelmente acabam se orgulhando de sua suposta justiça ou abandonando completamente a religião.




O que Jesus quis dizer com essas palavras desafiadoras? Como sempre ocorre na Bíblia, o contexto em que essas palavras se encontram esclarece seu significado. Para isso, precisamos voltar para o verso 43, verso em que Jesus citou o Antigo Testamento: “Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas Eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos Céus. Porque Ele faz raiar o Seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos” (Mt 5:43-45).




Nesses versos Jesus disse que devemos nos relacionar com as pessoas – todas as pesssoas, não apenas os amigos – da mesma forma que Deus Se relaciona com elas. Ele é bondoso e generoso para todos, sem distinção ou parcialidade. Então, vem o verso 48, que é a conclusão do argumento: devemos ser completos e maduros (esse é o significado do original), assim como é o Pai celestial em tudo o que Ele faz.




Eugene Peterson expressou Mateus 5:48 nas seguintes palavras: “Em uma palavra, o que estou dizendo é: cresçam. Vocês são súditos do reino. Vivam de acordo com ele. Vivam sua identidade criada por Deus. Tratem o próximo generosa e bondosamente, do mesmo modo que Deus trata vocês” (The Message).




Uma escritora cristã afirmou: “Cumpre-nos ser centros de luz e bênção para o nosso pequeno círculo, da mesma maneira que Ele o é para o Universo” (O Maior Discurso de Cristo, p. 77).